Objetos são avatares dos serviços

Será que é possível viver em uma grande cidade e não possuir um automóvel particular para se locomover dentro do espaço urbano? Se você mora em uma cidade onde há uma boa infraestrutura de transporte coletivo ou que há um fomento pelo uso da bicicleta, a resposta afirmativa fica mais simples. Caso contrário, o uso do carro até se torna aceitável pelas pessoas. Mas será que as cidades comportam o número crescente de carros em suas ruas?

Para tentar responder isso, devemos olhar para o carro não como um objeto ou um bem de consumo. Essa relação material entre nós e os carros nos leva a criar outros links relacionais: “O carro me dá poder”. “Eu posso ir e vir com ele”. “É um símbolo de liberdade”. “É um sinal de status”. “É minha conquista financeira e profissional”. Todos esses argumentos sustentam a posse de ter um carro. Será?

Construir coisas faz parte da nosso constituição social e é um dos pilares da nossa evolução cultural. Nós, seres humanos, somos construtores de coisas. E da mesma forma que os carros nas cidades, será que o nosso mundo comporta mais coisas que construímos?

Precisamos refazer a pergunta para as coisas que encontramos no nosso dia-a-dia. Ao ver um carro, devemos perguntar para que serve. O real sentido da existência daquele carro, é a sua utilidade. Ao nos perguntarmos para que serve um carro, a resposta é mais direta: “Um carro serve para nos locomover”.

Por essa ótica, podemos pensar o carro como uma materialização de uma utilidade, de um serviço. Da mesma forma que um avatar é a personificação de um deus, dentro da tradição religiosa do hinduísmo, um carro é um avatar do serviço de locomoção. E dentro da rede desse serviço, podemos encontrar muitos outros avatares, que podem ou não estarem conectados para construir uma experiência de uso mais rica e mais significativa para as pessoas.

Foi com esse olhar e essa liberdade que nós da live|work conseguimos compreender a rede de valor do transporte e conseguimos ajudar a StreetCar (atual ZipCar) a repensar o uso dos carros nas cidades – pois enxergamos o carro apenas como um avatar, uma personificação do serviço de locomoção.

Ao propormos que um carro poderia ser alugado de uma forma mais simples e que ele poderia estar conectado a rede de transporte urbano, desconstruímos a figura do carro como um bem de consumo e o colocamos no patamar de um avatar de um serviço bem maior: locomover-se na cidade.

Que outros avatares podemos pensar que personificam o serviço de locomoção dentro das cidades do século XXI?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s